Início Blog da Lena Uma aliado no combate às DSTs: a vacina contra o HPV

Uma aliado no combate às DSTs: a vacina contra o HPV

O Ministério da Saúde oferece a vacina contra o Papiloma Vírus Humano (HPV), pelo SUS, desde março de 2014.

O HPV é altamente contagioso. Basta uma única atividade sexual envolvendo contato genital para que qualquer pessoa corra o risco de adquirir o HPV. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o HPV é uma das doenças mais comuns do mundo. Estima-se que muitas pessoas adquirem o vírus nos primeiros 2 ou 3 anos de vida sexual ativa. Para vocês terem uma ideia, uma em cada 5 mulheres sexualmente ativas estão infectadas pelo HPV e um em cada dois homens são portadores deste vírus.

Embora os homens pareçam ter mais HPV, eles agem mais  como transmissores, pois apresentam menor índice de doenças relacionadas a esse vírus que as mulheres. É por isso que num primeiro momento as meninas é quem serão as privilegiadas com a vacina.

O vírus

O HPV é um vírus comum que afeta tanto homens quanto mulheres. Existem mais de 100 tipos diferentes de HPV.  Alguns deles são os responsáveis pelo aparecimento nas mãos e nos pés daquelas verrugas comuns. Outros não causam nenhum tipo de sintoma e a doença desaparece sem tratamento.  Destes inúmeros tipos, cerca de 30 são genitais, transmitidos na relação sexual, e afetam seriamente esta área, principalmente nas mulheres. Isso porque existem alguns tipos de HPV que não ocasionam nenhum sinal visível, mas podem provocar mudanças nas células do colo do útero, causando o câncer nesta região. Entre estes, os mais perigosos são os tipos 16 e 18. Já outros tipos, como o 6 e o 11, apresentam o sinal característico de verrugas nos genitais e no ânus, em ambos os sexos.

A vacina

Não existe uma forma de prevenção do HPV que seja 100% segura, já que este vírus pode ser transmitido até mesmo por meio de uma toalha ou outro objeto contaminado que entre em contato com os genitais. A camisinha é muito eficiente na prevenção durante o ato sexual. O problema é que nem sempre o vírus está alojado em um local que possa ser protegido por ela. Daí a importância do governo disponibilizar esta vacina pelo SUS.

A vacina vai ser utilizada contra quatro tipos do vírus HPV que, segundo o ministério, são responsáveis por alto índice de casos de câncer de colo de útero. O produto será feito no Brasil por meio de Parceria para o Desenvolvimento Produtivo (PDP) entre um laboratório internacional e o Instituto Butantan. A imunização ocorrerá nas unidades de saúde e nas escolas públicas.

De acordo com o ministério, a vacina tem eficácia comprovada para pessoas que ainda não iniciaram a vida sexual, mas não elimina as outras ações de prevenção, como a realização do exame Papanicolau e o uso de camisinha nas relações sexuais.

E o que o professor tem a ver com isso?

Tudo. O SUS fará a imunização de meninas de 10 e 11 anos.  As vacinas só poderão ser aplicadas com autorização dos pais ou responsáveis e a meta é vacinar 80% desse público-alvo.

É muito importante que este tema seja trabalhado na escola, tanto com os pais como com os alunos da faixa etária que será a população alvo desta vacinação para que esta arma não seja desperdiçada. Vocês já pensaram como os pais de seus alunos irão reagir a esta campanha? E as meninas? Irão se submeter a vacinação, se não souberem do que se trata e porque elas foram as escolhidas para participar?   Este assunto já chegou na sua escola?

O professor de cada escola e disciplina pode fazer alguma coisa para que os pais não julguem isso como incentivo ao sexo e, sim, como um cuidado à saúde de suas filhas. Vamos falar sobre como fazer isso no próximo post. Mandem a sua contribuição.