Início Blog da Lena Educação Sexual Qual é a importância do sexo na conquista amorosa entre os jovens?

Qual é a importância do sexo na conquista amorosa entre os jovens?

Será que a atração sexual é o único fator que desperta interesse dos jovens pelo outro?

Eu me surpreendi com a quantidade de comentários no facebook sobre o último post Devemos proteger crianças e adolescentes de assuntos “inadequados”? Fiquei feliz em saber que há crianças e jovens que já podem contar com adultos conscientes sobre a importância da sexualidade.

É um engano perigoso achar que negar a sexualidade ou não conversar sobre sexo faz com que os adolescentes percam o interesse sexual – que corre nas veias e na mente deles! A sociedade está mais liberal e isso propicia aos jovens muitas oportunidades sexuais.

É por isso que insisto na importância da Educação Sexual na escola, não só para falar sobre prevenção às DST e da gravidez, mas também sobre a qualidade de vida sexual dos jovens… Vocês dirão que estou sonhando muito alto… Mas é verdade! Os jovens precisam ser informados e refletir sobre mais temas, por exemplo, o uso do sexo na conquista amorosa.

Os atributos que interferem numa conquista é uma boa temática para trabalhar na sala de aula com os alunos do 9o ano e do Ensino Médio.

Conquista e sexo

No conceito de muitas garotas, a arma principal para se conquistar “o cara” é o sexo. De fato, a atração física e sexual é um motivo muito forte para despertar o interesse de um garoto. Mas, só o tesão não sustenta um relacionamento. Conquistar alguém é despertar no outro o encantamento e isso nem sempre depende da nossa desenvoltura sexual. O que decide mesmo nosso interesse por alguém é um conjunto mais amplo de fatores. O sexólogo americano John Money acredita que um dos mecanismos que explica a atração por alguém específico são os “mapas amorosos”.

O mapa amoroso funciona como um álbum de fotografias mental que é consultado sempre que surge alguém interessante a nossa volta. Quando ocorre o encontro com pessoas que possuem características parecidas com aquelas que temos registradas nesse álbum como significativas, a paixão pode acontecer. Assim, o ideal que temos em mente é muito mais poderoso no processo de conquista do que a sensualidade e disponibilidade sexual.

E é aí que o trabalho de Educação Sexual pode ser muito proveitoso! Numa roda de conversa com seus alunos, levante a questão: Qual tipo de pessoa atrai você?

Antigamente, uma menina sabia como preencher o modelo de mulher para conquistar um namorado. Bastava ser discreta, dengosa e prendada (saber costurar, cozinhar, cuidar de uma casa e lidar com crianças). Hoje, ainda bem, a mulher tem mais opções, principalmente na sua vida profissional. O parâmetro generalizado de “menina preferida” não existe mais.

Por outro lado, esse processo é muito recente e há casos em que ser estudiosa, ousada e independente pode amedrontar o garoto, ou não parecer atraentes à primeira vista. A atração sexual parece ser a única certeza sobre o mecanismo de atrair o outro. Por isso é muito importante que os alunos identifiquem outros tipos de atração, além da sexual: a atração afetiva, aquela em que o adolescente gosta do “jeito de ser” do  outro – seus gestos, suas atitudes, sua forma de se expressar, de fazer as coisas, de se vestir, de se posicionar nas situações… E aatração intelectual, quando se aprecia o jeito de pensar do outro: a forma de ver a vida, as expectativas, os valores morais, religiosos, a forma de se comportar na vida em relação a si, aos outros e ao mundo.

O conhecimento sobre o processo amoroso pode ajudar os jovens a encontrarem o seu próprio jeito de conquistar sem que para isso precisem extrapolar seus limites, atropelar seus valores e deixar de respeitar o seu tempo. 

Você já conversou alguma vez com seus alunos sobre isso? Compartilhe conosco!